Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
330,00 312,00 328,00
GO MT RJ
315,00 309,00 309,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2620,00
Garrote 18m 2920,00
Boi Magro 30m 3610,00
Bezerra 12m 2300,00
Novilha 18m 2670,00
Vaca Boiadeira 2840,00

Atualizado em: 19/1/2022 10:45

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

MAPA bota em marcha a diplomacia dos insumos

 
 
 
Publicado em 24/11/2021

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, colocou em prática uma “diplomacia dos insumos” e voltou de Moscou, na semana passada, com a garantia de governantes e empresários russos de que o país cumprirá os contratos de fornecimento de fertilizantes ao Brasil sem a aplicação das restrições às exportações anunciadas recentemente pelo Kremlin.

A Rússia prometeu, também, ampliar embarques de potássio e fosfatados para suprir eventuais interrupções no abastecimento brasileiro dos insumos importados de Belarus e China, que enfrentam diferentes crises. Essa garantia pode dar maior segurança aos planos dos produtores para a safra 2022/23.

Embora restem dúvidas e riscos, o compromisso obtido foi considerado uma vitória importante de Tereza Cristina, sobretudo num momento em que sua Pasta é alvo de críticas por causa da demora da China em reabrir definitivamente seu mercado para a carne bovina brasileira.

A situação mais delicada é a de Belarus, de onde o Brasil importa 23% do potássio usado nas lavouras, ou cerca de 2,5 milhões de toneladas por ano. Os embargos econômicos que serão aplicados pelos Estados Unidos e pela Europa a partir de 8 de dezembro podem respingar nos negócios a longo prazo firmados com produtores e empresas brasileiras.

Alguns pagamentos das importações, por exemplo, são feitos por bancos americanos e poderão ser impedidos com as sanções, assim como a contratação de garantias e seguros, o que inibe a ação dos brasileiros. Em Brasília, o risco de interrupção do fluxo dos navios com potássio de Belarus passou a ser considerado bem possível.

Mas o governo brasileiro pisa em ovos. A diplomacia não pretende tomar partido sobre a crise política belarussa. A intenção é evitar uma exposição diante de qualquer negociação ou alinhamento com o presidente do país, Aleksandr Lukashenko, retratado como o último ditador da Europa. Qualquer movimento mais enfático poderia enfraquecer os embargos americano e europeu.

Quebra-cabeças

Já as empresas importadoras brasileiras quebram a cabeça para encontrar soluções para o impasse. Entre as alternativas estudadas está uma negociação via China e mesmo uma permuta, como o Brasil faz com o Irã, com a possibilidade do envio de cargas de milho em troca de fertilizantes. Mas o preço alto do insumo e a necessidade de refazer contratos em cima da hora são um problema.

O setor acredita que há disposição da Rússia em ajudar Belarus em caso de novas sanções, mas o uso dos portos russos para exportar os insumos demandaria adequações e investimentos inviáveis no curto prazo. O tempo também é inimigo no caso do Canadá, onde novas minas de potássio foram descobertas, mas a produção só deverá aumentar consideravelmente em alguns anos.

Em outubro, representantes de cooperativas brasileiras e da Belarusian Potash Company (BPC), braço da estatal de exploração de potássio Belaruskali, estiveram no gabinete da ministra Tereza Cristina, em Brasília, para avaliar o cenário. Uma das sugestões do setor no encontro foi que o governo acionasse instituições internacionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Mundial do Comércio (OMC), como forma de pressionar a liberação do fluxo normal das exportações de Belarus, que ocorrem por terminal no porto de Klaipeda, na Lituânia. O Valor apurou que a medida é considerada improvável.

O objetivo do governo é tratar a questão de forma generalizada, buscando organizar o ambiente para a negociação privada “assertiva e perene” e visando assegurar o abastecimento interno. Houve um salto no consumo de fertilizantes no Brasil nas últimas safras - de 36 milhões de toneladas, em 2019, para 40,5 milhões em 2020. As previsões mais modestas dão conta de que neste ano serão 44 milhões de toneladas.  Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[19/01/2022] - Arroba: exportações podem bater recorde histórico
[19/01/2022] - Agro domina exportações em portos do Paraná
[19/01/2022] - Marfrig: ômicron não afeta abates
[19/01/2022] - Pecuaristas recusam acordo com frigorífico fechado
[19/01/2022] - Leite: ano pode ser complicado para o produtor
[19/01/2022] - Milho volta a rondar os R$ 100 a saca
[19/01/2022] - IGP-M volta a acelerar

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[18/01/2022] - Exportações de carne estão acima de janeiro 2021
[18/01/2022] - Arroba: cenário de estabilidade
[18/01/2022] - Escalas estão menores em Mato Grosso
[18/01/2022] - Briga por ICMS sobre o milho vai à Justiça
[18/01/2022] - Pecuaristas protestam contra a Globo Rural
[17/01/2022] - Arroba: nem pra cima, nem pra baixo
[17/01/2022] - Frigorífico fecha e deixa dívida milionária
[17/01/2022] - Milho volta a ser negociado acima de R$ 100 a saca
[17/01/2022] - JBS anuncia novo presidente da JBS Brasil
[17/01/2022] - Globo Rural ataca a Pecuária brasileira
[17/01/2022] - Estados decidem elevar ICMS sobre combustível
[14/01/2022] - PIB do Agro cresceu 10% em 2021
[14/01/2022] - Arroba: pecuarista vai segurar o boi
[14/01/2022] - Arroba: preços não acham espaço para cair
[14/01/2022] - Milho: produção deve crescer em 2022
[14/01/2022] - Varejo vendeu mais puxado por supermercados
[14/01/2022] - Exportações do Agro cresceram 9,5% em SP
[14/01/2022] - Câmara aprova incentivo a reservas em fazendas
[13/01/2022] - Arroba: frigoríficos seguem tentando pressão
[13/01/2022] - CEPEA: ano inicia com arroba em alta
[13/01/2022] - Chineses vão pagar mais caro pela carne suína
[13/01/2022] - Tereza Cristina visita áreas atingidas pela seca
[13/01/2022] - Safra tem perdas severas também no Paraná
[12/01/2022] - Consultoria prevê mercado bom para exportações
[12/01/2022] - Exportações de carne de MT bateram US$ 1,7 bi
[12/01/2022] - Arroba: frigoríficos e pecuaristas olham o mercado
[12/01/2022] - Onda de calor preocupa produtores do Sul do Brasil
[12/01/2022] - Chuvas começam a perder força no Brasil Central
[12/01/2022] - Polícia prende quadrilhas que roubam defensivos
[11/01/2022] - Arroba: frigoríficos tentam baixa, sem sucesso
[11/01/2022] - Exportações: China já movimenta o mercado
[11/01/2022] - Frigoríficos dos EUA reduzem produção por COVID
[11/01/2022] - Canadá registra caso de vaca louca
[11/01/2022] - Milho: como ficará o mercado em 2022?
[11/01/2022] - Peste Suína Africana se espalha pela Europa
[11/01/2022] - Peste suína também chega à Tailândia
[11/01/2022] - Inflação bateu recorde, puxada por combustíveis
[10/01/2022] - Neloristas cobram posicionamento claro do Bradesco
[10/01/2022] - Spoleto ataca e depois pede desculpas a produtores
[10/01/2022] - Exportações: faturamento cresceu apesar da China
[10/01/2022] - Arroba: boi exportação tem ágio de até R$ 15
[10/01/2022] - Milho: produtores seguram as vendas
[10/01/2022] - Agro responde por 77% das exportações de Goiás
[10/01/2022] - Crédito rural: contratações dispararam 30% em 2021
[17/12/2021] - Boi pode subir com força nos próximos dias
[17/12/2021] - MAPA quer que a China habilite novos frigoríficos
[17/12/2021] - Arroba: quem vai ceder primeiro?
[17/12/2021] - ABPA: cenário está muito bom para carne brasileira
[17/12/2021] - Frigoríficos pedem novas normas contra o Covid
[17/12/2021] - Leite: inflação está alta para o produtor

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br