Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
260,00 266,00 249,00
GO MT RJ
246,00 248,00 279,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2770,00
Boi Magro 30m 3290,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2540,00
Vaca Boiadeira 2840,00

Atualizado em: 22/10/2021 09:23

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Leite: alta de custos não dá trégua

 
 
 
Publicado em 24/09/2021

O aumento dos custos de produção do setor agropecuário vem causando preocupação entre os produtores rurais. Um bom exemplo disso ocorre na pecuária de leite. De acordo com o boletim Campo Futuro, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Cepea, entre janeiro e junho de 2021, o COE (o Custo Operacional Efetivo) da atividade leiteira subiu 11,5%.

Na live de abertura do Circuito Mineiro de Bovinocultura, realizada no dia 31 de agosto e disponível no canal da Emater-MG, foram citados aumentos de gastos com ração, mão de obra, medicamentos, manutenção de máquinas e equipamentos, entre outros itens necessários no setor. Mas, o insumo que mais tem pesado no bolso do produtor é a ração concentrada que, segundo o Cepea, valorizou cerca de 11%, na média Brasil, no primeiro semestre de 2021.

A forte alta do concentrado é resultado dos elevados das cotações da soja e do milho. Nos últimos 12 meses, a oleaginosa se valorizou 35% e o milho teve uma alta de quase 86%. Valores que impressionam o presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias de Leite de Minas Gerais (Fecoagro), Vasco Praça Filho. “Nós vimos esse ano, o milho a R$92, a soja a R$155 e a silagem a R$183 a tonelada. O adubo está custando cerca de R$190, o dobro do ano passado. Já a ureia passou de R$98 para R$200, então todos esses custos preocupam muito o produtor”, afirma Vasco.

Margens apertadas

Diante desse cenário de alta de custo, Vasco destacou a importância de um bom planejamento alimentar do rebanho. “Ainda costuma haver um improviso muito grande nesta questão e isso é muito ruim. Às vezes, o produtor começa a achar caro e não faz a silagem. Daí acaba gastando um volume maior de concentrado. E é um grande erro. Um quilo de ração hoje é R$2,50 a R$2,70 e se uma vaca comer dez quilos, ela custa R$27 por dia. O quilo da silagem, com um valor de R$280 por tonelada, é R$0,28, então a diferença é muito grande”, calcula o pecuarista.

As geadas, que afetaram o Centro-Sul do País em julho, diminuíram consideravelmente a qualidade das pastagens, prejudicando a alimentação volumosa, que já vinha limitada devido ao tempo seco. Para evitar perdas ainda maiores na produção de leite, os produtores aumentaram a demanda por suplementação mineral, resultando em alta de quase 4% no preço do insumo em julho. Por causa de todos esses aumentos, a Emater-MG alerta os pecuaristas que o cenário exige muita atenção, principalmente dos produtores que, na maior parte dos casos, encontram margens apertadas na atividade leiteira. 

Lucratividade

O coordenador técnico regional da Emater-MG em Alfenas, Marcelo Martins, dá algumas dicas para o pecuarista melhorar a lucratividade do negócio. Ele diz que é fundamental o produtor ter no mínimo entre 40 a 45% de vacas do rebanho em lactação, “pois são elas que pagam a conta”. “Para maximizar a receita, o pecuarista não deve se ater ao custo mínimo. Ele deve ter um custo mais racional, ou seja, talvez um aumento no gasto na alimentação pode gerar uma lucratividade muito maior, pois também cresce a produção. O RMCA (receita menos os custos de alimentação) é o que otimiza os lucros da propriedade”, explica Martins.

Também é importante aumentar a produção de leite (sem baixar a qualidade) e o número de animais para a venda (aproveitando a valorização do preço do bezerro), reduzir os custos de produção e partir para a especialização (reposição, leite, etc). Com informações da Secretaria da Agricultura de Minas Gerais.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[22/10/2021] - Frigoríficos têm a maior margem de lucro em 2 anos
[22/10/2021] - China promete solução rápida para o embargo
[22/10/2021] - Confinadores amargam prejuízos
[22/10/2021] - Arroba: referência fica abaixo de R$ 270
[22/10/2021] - Consórcio de máquinas agrícolas cresceu 20%
[22/10/2021] - Dólar dispara com incerteza nas contas públicas
[21/10/2021] - Embargo chinês: o tiro que pode sair pela culatra

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[21/10/2021] - FAESP cobra ações do MAPA contra embargo chinês
[21/10/2021] - Arroba: frigoríficos dizem ter bois suficientes
[21/10/2021] - CEPEA: preço do boi caiu mais que a carne
[21/10/2021] - Leite: preço no Brasil está maior que no exterior
[21/10/2021] - Marfrig será maior acionista da BRF
[20/10/2021] - Embargo chinês é estratégia comercial
[20/10/2021] - Frigoríficos devem parar produção para a China
[20/10/2021] - Queda do boi não chega ao preço da carne
[20/10/2021] - Arroba: pressão de baixa continua em SP
[20/10/2021] - CVM nega acordo na venda da Bertin à JBS
[20/10/2021] - Queda do boi já reflete na inflação do Agro
[19/10/2021] - Tereza pode ir à China para resolver embargo
[19/10/2021] - Exportação: volume exportado caiu, mas preço subiu
[19/10/2021] - Arroba: frigoríficos voltam a pressionar
[19/10/2021] - IMEA: queda da arroba foi maior que a expectativa
[19/10/2021] - IGP-M volta a registrar deflação
[19/10/2021] - Agro pode ganhar força com mais ferrovias
[18/10/2021] - Exportações do Agro bateram US$ 10 bi em setembro
[18/10/2021] - Arroba: preços pararam de cair
[18/10/2021] - China: produção de carne suína é a maior em 3 anos
[18/10/2021] - Leite: produtor tenta reduzir custos
[18/10/2021] - Milho: preços em queda
[18/10/2021] - Milho: custo de produção sobe em Mato Grosso
[15/10/2021] - Arroba: frigoríficos continuam derrubando o boi
[15/10/2021] - Ataques a entidades do Agro causam indignação
[15/10/2021] - Deputado da FPA pede investigação de vandalismo
[15/10/2021] - Atividade econômica perdeu força em agosto
[15/10/2021] - JBS faz novo investimento nos Estados Unidos
[15/10/2021] - Alemanha tem caso atípico de vaca louca
[14/10/2021] - China terá carne barata quando mercado reabrir?
[14/10/2021] - Militantes vandalizam sede de entidades do Agro
[14/10/2021] - Arroba: boi caiu, mas a carne ainda não
[14/10/2021] - CEPEA: pecuaristas não aceitam preços menores
[14/10/2021] - PIB da Pecuária: alta de 6,1% em 2021
[13/10/2021] - Como estão as exportações em outubro?
[13/10/2021] - Arroba: frigoríficos continuam segurando compras
[13/10/2021] - China derrubou importações de carne
[13/10/2021] - Milho: compradores saíram do mercado
[13/10/2021] - Proibição da exportação de gado avança
[08/10/2021] - China deve aumentar (muito) importações do Brasil
[08/10/2021] - Arroba: frigoríficos travam as compras
[08/10/2021] - Produção de leite de Mato Grosso caiu
[08/10/2021] - Bolsonaro: falta de adubo é preocupante
[07/10/2021] - Abrafrigo: EUA dobraram importações do Brasil
[07/10/2021] - Arroba: reabertura chinesa pode ocorrer amanhã
[07/10/2021] - Arroba: frigoríficos estão atrás de boi barato
[07/10/2021] - CEPEA: referência está quase 5% menor
[07/10/2021] - Leite: preço ao produtor volta a subir em setembro
[07/10/2021] - Lácteos sobem pelo sexto mês consecutivo
[07/10/2021] - RS já registrou focos de raiva em 25 municípios

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br