Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
197,00 175,00 184,00
GO MT RJ
178,00 175,00 179,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1850,00
Garrote 18m 2050,00
Boi Magro 30m 2700,00
Bezerra 12m 1270,00
Novilha 18m 1580,00
Vaca Boiadeira 1860,00

Atualizado em: 27/3/2020 10:44

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

EUA: liberação da carne brasileira vira polêmica

 
 
 
Publicado em 27/02/2020

Os americanos bateram palmas quando os chineses, após 19 anos, retiraram as sanções contra a carne bovina dos Estados Unidos. Afinal, estavam voltando para um dos principais mercados do mundo.

Agora, porém, estão em pé de guerra com a liberação da carne “in natura” brasileira no mercado americano. Afinal, estão diante do principal exportador mundial.

As brigas, sempre digitais, são travadas entre os próprios americanos. Os que aceitam são chamados de estúpidos pelos que são contrários.

Não faltaram também brasileiros e australianos nessa discussão. Os brasileiros destacam o protecionismo americano e o desconhecimento sobre a produção no Brasil.

Além disso, os americanos creem que só nos Estados Unidos se produza alimento de qualidade, segundo um deles.

Já os australianos estão preocupados com a possibilidade de o Brasil roubar mercado dos pecuaristas da Austrália.

Um deles lembrou, no entanto, que o Brasil vai dividir uma cota conjunta com outros países de apenas 65 mil toneladas por ano. Volume acima deste paga uma taxa de 26%.

Já a Austrália tem garantidas 378 mil toneladas anualmente nos Estados Unidos.

Os dados da alfândega dos Estados Unidos, acumulados até segunda-feira (24), indicam que a cota da qual o Brasil participa já foi preenchida em 14 mil toneladas neste ano. A da Austrália, em 34 mil.

Um produtor americano está inconformado. Os Estados Unidos perderam a liderança nas exportações de grãos e de carnes para o Brasil e, para piorar, abrem as portas para a carne brasileira.

A NCBA (associação de produtores de carne bovina nos Estados Unidos) está entre a cruz e a espada. Aceitar a política benéfica do governo Donald Trump para o setor ou contestar a abertura das importações do produto brasileiro.

Foi do elogio à crítica. Destacou a sensibilidade do secretário de Agricultura do país, Sonny Perdue, por pautar o comércio externo na ciência, o que provocou a interrupção das exportações brasileiras para os Estados Unidos em 2017, segundo ela.

Destacou, porém, ter sérias preocupações com a reentrada da carne brasileira no mercado americano. O país tem um histórico de febre aftosa e de repetidas violações à segurança alimentar, destacou a associação.

Alguns consumidores estão exigindo um selo para a carne do Brasil. Não querem pagar pela carne brasileira o mesmo valor que pagam pela americana. Esta, segundo eles, de melhor qualidade.

Não faltou o troco nessas conversas digitais. Brasileiros entraram na briga destacando que a única justificativa dos americanos é o protecionismo. Eles têm medo da concorrência do produto brasileiro, mais competitivo e mais sustentável.

Um americano diz que a carne brasileira deveria ser classificada como um lixo fedorento provindo da América do Sul.

O brasileiro deu o troco. A carne do Brasil tem por trás uma produção a pasto, é segura e levada muito a sério. Tanto que a União Europeia, sem necessidade do mesmo protecionismo, a importa.

Os brasileiros afirmaram, ainda, nessa briga digital nas publicações voltadas ao setor, que o Brasil tem leis ambientais acima das dos EUA e das da União Europeia.

Até um senador do estado de Montana, na obrigação de defender seus eleitores —como todos eles fazem—, se diz chocado com as importações de carne fresca do Brasil.

Segundo ele, o produto brasileiro coloca em risco as famílias americanas. Seria uma carne podre que vai aos supermercados americanos coberta por produtos químicos que causam câncer.

Não faltaram discussões políticas entre democratas e republicanos, estes últimos do partido do presidente.

Para um pecuarista americano, não há motivos para a importação da carne brasileira. Os Estados Unidos não têm escassez de produto, e o Usda (Departamento de Agricultura dos EUA) não vai se acalmar enquanto não levar a febre aftosa para dentro do país, afirma.

Essa discussão mostra que o Brasil acaba de atingir um mercado exigente na qualidade e espelho para outros países em cuidados na segurança alimentar.

Erros do passado, porém, mostram que o Brasil terá um longo caminho a percorrer para recuperar a imagem. Produtores e exportadores brasileiros deverão ter muita transparência, principalmente porque o mercado está cada vez mais competitivo. Com informações da Folha.
 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[27/03/2020] - China voltou a comprar e frigoríficos sobem oferta
[27/03/2020] - Arroba volta ao patamar de R$ 200
[27/03/2020] - Mercado de reposição segue travado
[27/03/2020] - Polpa cítrica subiu com força no último ano
[27/03/2020] - MAPA define serviços essenciais para o setor
[27/03/2020] - MAPA pede apoio para garantir abastecimento
[27/03/2020] - Abrafrigo: mercado não aguenta mais 10 dias

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[27/03/2020] - Cidade fecha comércio mesmo sem casos do vírus
[27/03/2020] - Funai anula demarcação de terras no Paraná
[27/03/2020] - MAPA adia prazo para comprovar vacinação
[26/03/2020] - Arroba: frigoríficos já pagam até R$ 6 a mais
[26/03/2020] - Preço da carne não cedeu no atacado
[26/03/2020] - JBS: compras da China voltaram com força
[26/03/2020] - Lucro da JBS bate recorde com vendas à China
[26/03/2020] - Movimento em supermercados volta ao normal
[26/03/2020] - Milho continua batendo recordes de preço
[26/03/2020] - Governo pode tornar veterinárias serviço essencial
[25/03/2020] - Arroba: pecuaristas pedem mais pelo boi
[25/03/2020] - Reposição está devagar em Rondônia
[25/03/2020] - China libera mais carne das reservas estratégicas
[25/03/2020] - Milho: preços seguem em alta
[25/03/2020] - Prévia da inflação tem forte queda
[25/03/2020] - Bolsonaro: comércio deve reabrir
[25/03/2020] - Agro pede apoio contra travas ao transporte
[25/03/2020] - Caminhoneiros reclamam da falta de alimentos
[25/03/2020] - Normas são alteradas para preservar transporte
[25/03/2020] - Dona da JBS recusa antecipar dinheiro para o MPF
[24/03/2020] - Exportações de carne têm resultado surpreendente
[24/03/2020] - China importou mais carne no primeiro bimestre
[24/03/2020] - Bolsonaro fala com presidente da China
[24/03/2020] - Arroba: pecuarista não aceita os preços atuais
[24/03/2020] - Para onde vai a arroba do boi no curto prazo?
[24/03/2020] - Arroba do boi caiu forte também no MT
[24/03/2020] - Frigoríficos garantem abastecimento de carne
[24/03/2020] - Leite longa vida dispara por causa do coronavírus
[24/03/2020] - Governo pagará parte do salário de trabalhadores
[24/03/2020] - Farelo de soja está 11,4% mais caro
[24/03/2020] - Importação de milho disparou no Brasil
[24/03/2020] - Cidade de Mato Grosso proíbe transporte de grãos
[24/03/2020] - Governo trabalha para manter estradas liberadas
[24/03/2020] - RS permite comprovação de vacina por e-mail
[23/03/2020] - Qual será o efeito do coronavírus sobre o Agro?
[23/03/2020] - Médicos são contra fechamento total do comércio
[23/03/2020] - Arroba: frigoríficos tentam derrubar o boi
[23/03/2020] - Pecuaristas mostram preocupação com o mercado
[23/03/2020] - Coronavírus afeta o atacado da carne
[23/03/2020] - Justiça impede fechamento de frigoríficos
[23/03/2020] - Marfrig não reduzirá capacidade de abate
[23/03/2020] - MAPA garante o abastecimento
[23/03/2020] - Carne: vendas em Campo Grande dispararam
[23/03/2020] - Produtores de leite pedem garantia de produção
[23/03/2020] - Na China, o coronavírus começa a ficar para trás
[23/03/2020] - Milho segue em alta
[23/03/2020] - MP permite suspensão de contrato de trabalho
[23/03/2020] - Decreto: vigilância agropecuária é essencial
[23/03/2020] - BC anuncia a liberação de R$ 68 bilhões
[23/03/2020] - BNDES anuncia pacote de R$ 55 bi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br