Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
200,00 185,00 194,00
GO MT RJ
190,00 188,00 181,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1830,00
Garrote 18m 2170,00
Boi Magro 30m 2690,00
Bezerra 12m 1370,00
Novilha 18m 1620,00
Vaca Boiadeira 1850,00

Atualizado em: 27/2/2020 10:23

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

ARTIGO - Mais preconceito

 
 
 
Publicado em 31/08/2009

Roberto Rodrigues

A agropecuária brasileira tem recebido seguidas agressões injustas, embora seja extremamente competitiva e venha dando inequívocas demonstrações disso.

No ano passado, respondeu por 36% das exportações totais brasileiras, e o saldo comercial do agronegócio, de US$ 60 bilhões, foi mais do que o dobro do saldo comercial total do país, de US$ 24,8 bilhões.

Nos primeiros sete meses deste ano, com crise e tudo, e embora os preços de quase todas as commodities agrícolas tenham caído em relação ao mesmo período do ano passado, o agronegócio exportou 45% de tudo o que o Brasil mandou para fora -bem mais do que em 2008! Aliás, é bom lembrar que, em 1998, o agronegócio exportou US$ 21,5 bilhões; no ano passado, o valor chegou a US$ 71,8 bilhões.

O mercado interno tem sido abastecido com alimentos, fibras e energia da melhor qualidade e a preços compatíveis. Expandiu-se a produção de frutas, de flores e de orgânicos. Os agricultores enfrentaram as crises todas com respostas progressistas e baseadas em tecnologia preservacionista e gestão de qualidade. Sustentabilidade é hoje um tema importante em todas as modernas fazendas brasileiras, bem como nas cooperativas agropecuárias, nos sindicatos e nas sociedades rurais.

Portanto, os produtores brasileiros têm alimentado e vestido seus concidadãos e produzem um saldo comercial salvador de nossa balança externa. E produzindo álcool que emite só 11% do CO2 emitido pela gasolina, ainda têm contribuído eficientemente para a redução do aquecimento global.

Mesmo assim, não existe um reconhecimento por esses resultados. Na revista "Veja" desta semana, James "Jim" Rogers, megainvestidor norte-americano, informa que os agricultores do mundo todo serão os grandes responsáveis pelo progresso futuro, e deterão parte significativa da renda global. Os países desenvolvidos sabem disso e apoiam seus produtores com pesados subsídios. Tanto é que a Rodada Doha da OMC (Organização Mundial do Comércio), cujo objetivo é abrir o comércio mundial agrícola, não avança por causa da proteção dos países ricos a sua agropecuária.

E aqui? Só pancadaria: não se resolve a questão do endividamento passado, causado por questões macroeconômicas; o seguro rural continua sem o Fundo de Catástrofe, o que o limita totalmente; falta uma estratégia articulada do governo para resolver as questões da logística, da infraestrutura, da agregação de valor, da promoção comercial etc. Mas dois temas são agora muito relevantes: o ambiental e o fundiário.

Na área ambiental, é preciso resolver de vez a questão do Código Florestal e do Código Ambiental, com participação dos agricultores. Hoje, a eles só se imputa o ônus desse processo que interessa a toda a sociedade. E na área fundiária volta à baila o tema dos índices de produtividade, assunto anacrônico, do século passado. Alguém do governo quer arbitrar a produtividade dos agricultores e pecuaristas: a fazenda que produzir abaixo desse número arbitrado pode ser desapropriada para fins de reforma agrária.

Só na agricultura! Por que não tem índice de produtividade em banco, em supermercado, em fábrica, em bar, em cinema, em loja etc.? Porque o mercado desapropria quem não for eficiente! Na agricultura agora também é assim. Esse foi um tema para meados do século passado, quando a agricultura não cumpria o papel que hoje cumpre com grande eficiência.

Chega de preconceito!

ROBERTO RODRIGUES, 67, coordenador do Centro de Agronegócio da FGV (Fundação Getulio Vargas), presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp e professor do Departamento de Economia Rural da Unesp - Jaboticabal, foi ministro da Agricultura (governo Lula).

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[27/02/2020] - Frigoríficos: entregas à China estão normais
[27/02/2020] - Minerva tem 5 unidades liberadas pelos americanos
[27/02/2020] - JBS tem 11 unidades aprovadas pelos EUA
[27/02/2020] - EUA: liberação da carne brasileira vira polêmica
[27/02/2020] - OMS: epidemia chegou a um ponto decisivo
[27/02/2020] - China espera controlar epidemia no fim de abril
[27/02/2020] - Dólar dispara por pânico com coronavírus

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[27/02/2020] - Como o mercado do boi voltou do Carnaval?
[27/02/2020] - Pecuarista segura o boi esperando preço melhor
[27/02/2020] - Frigoríficos de SP precisam comprar boi
[27/02/2020] - IGP-M tem deflação em fevereiro
[27/02/2020] - Dólar alto puxa o preço do farelo de soja
[27/02/2020] - Caroço de algodão mais caro em 2020
[27/02/2020] - Argentina trava exportações do agronegócio
[26/02/2020] - Reabertura dos EUA pode puxar a arroba no Brasil?
[26/02/2020] - EUA oficializam reabertura do mercado ao Brasil
[26/02/2020] - EUA prevêem produção de carne maior no Brasil
[26/02/2020] - Arroba: sem espaço para queda
[26/02/2020] - Reposição: preços em alta
[26/02/2020] - Carne: demanda segue fraca e segura preço
[26/02/2020] - Dólar alto puxa preço do farelo de soja
[26/02/2020] - Coronavírus pode afetar a economia do Brasil?
[26/02/2020] - Primeiro caso de coronavírus no Brasil
[26/02/2020] - Itália vive epidemia de coronavírus
[26/02/2020] - Itália: medidas contra o coronavírus são fortes
[26/02/2020] - OMS: transmissão do vírus na China desacelerou
[26/02/2020] - Mercados agrícolas sobem em dia de queda geral
[26/02/2020] - MAPA autoriza antecipação da vacinação no RS
[26/02/2020] - Produtores rurais argentinos marcam greve
[26/02/2020] - Macron promete brigar por subsídios a agricultores
[21/02/2020] - Arroba: frigoríficos podem aumentar ofertas
[21/02/2020] - Carne: preços firmes no atacado
[21/02/2020] - Mortes pelo coronavírus passam de 2.200 na China
[21/02/2020] - China: Vírus atrasa compras de produtos agrícolas
[21/02/2020] - Produção de carne dos EUA baterá recorde
[21/02/2020] - Marfrig pode vender ações nos EUA
[21/02/2020] - Empresa da JBS lucra 84% mais
[21/02/2020] - Dólar bate os R$ 4,40, maior valor da história
[21/02/2020] - Exportações de milho caíram
[21/02/2020] - Frete caro puxa preço do milho
[20/02/2020] - Brasil pode bater outro recorde na carne bovina
[20/02/2020] - Marfrig acredita que exportações seguirão fortes
[20/02/2020] - Minerva já vê retomada do mercado chinês
[20/02/2020] - Minerva: novos mercados estão se abrindo
[20/02/2020] - China começa a retomar a vida normal
[20/02/2020] - Arroba: mercado do boi está andando de lado
[20/02/2020] - Carne não consegue ganhar embalo no varejo
[20/02/2020] - Pecuaristas do RS querem antecipar fim da vacina
[19/02/2020] - Carnaval pode puxar a demanda pelo boi
[19/02/2020] - Pecuarista segura as vendas esperando a alta
[19/02/2020] - Um estado onde o boi subiu mais de 10%
[19/02/2020] - Reposição: preços continuam subindo
[19/02/2020] - Qual o novo patamar para a arroba do boi?
[19/02/2020] - Minerva lucra com exportações à China
[19/02/2020] - JBS faz mais um investimento bilionário nos EUA
[19/02/2020] - Câmara aprova a MP do Agro
[19/02/2020] - Caminhoneiros param para pressionar o STF

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br