Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
207,00 185,00 214,00
GO MT RJ
191,00 185,00 185,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1820,00
Garrote 18m 2300,00
Boi Magro 30m 2600,00
Bezerra 12m 1350,00
Novilha 18m 1620,00
Vaca Boiadeira 1900,00

Atualizado em: 9/12/2019 10:05

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Milho brasileiro ganha espaço dos EUA

 
 
 
Publicado em 14/11/2019

Os exportadores de milho do Brasil estão desfrutando de um ótimo ano graças a uma grande safra e a melhorias logísticas, ampliando o status do país como um importante fornecedor global do produto e ameaçando o tradicional domínio dos Estados Unidos no setor.

Os EUA devem permanecer como principal país exportador por ora, mas recentemente o milho brasileiro capturou mais negócios de clientes típicos dos EUA. Parte disso se deve a circunstâncias verificadas neste ano, mas alguns dos ganhos podem ser mais permanentes.

Até outubro, o Brasil havia exportado 34,7 milhões de toneladas de milho em 2019, impressionantemente 60% acima do recorde anterior para o período, de acordo com dados oficiais. O número inclui um recorde mensal de mais de 7 milhões de toneladas, registrado em agosto.

Em comparação, os EUA embarcaram cerca de 36,2 milhões de toneladas do grão durante o mesmo período, queda de 40% em relação ao ano anterior.

O Brasil colheu uma safra recorde neste ano, superando o ciclo anterior em cerca de 19 milhões de toneladas.

No ano passado, a vizinha Argentina, outra importante fornecedora global de milho, sofreu com uma forte seca, assim como o Brasil.

A oferta mais fraca dos países sul-americanos no ano passado fez com que compradores globais de milho buscassem pelo produto norte-americano, mais barato e abundante, elevando as exportações do país para perto de níveis recordes.

Agora, no entanto, o jogo virou. As amplas safras da América do Sul em grande parte deste ano foram oferecidas com descontos significantes em relação à oferta dos EUA, que foi impactada pelo tempo excessivamente úmido durante a fase de desenvolvimento da cultura.

O governo norte-americano projeta que as exportações do país cairão para uma mínima de sete anos, embora analistas possuam o temor de que a estimativa ainda seja muito otimista.

O Brasil hoje exporta quase quatro vezes a quantidade de milho que exportava há uma década, com as vendas decolando após uma série de safras ruins dos EUA entre 2010 e 2012. Nem todos os clientes dos dois países são os mesmos, mas muitos deles compram o grão tanto dos EUA quanto do Brasil, e as tendências recentes sublinham o risco que a expansão da oferta sul-americana oferece às exportações dos EUA.

México e Japão são de longe os principais compradores estrangeiros do milho norte-americano, sendo responsáveis por 32% e 27%, respectivamente, de todos os embarques dos EUA em 2019 até setembro. Mas esses países também estão entre os principais destinos do milho do Brasil, embora o México não tenha sempre sido um grande "player" no passado.

O Brasil embarcou cerca de 1,4 milhão de toneladas de milho para o México neste ano (até outubro), quase quatro vezes mais que o recorde anterior para o período. O volume de outubro, de 518.345 toneladas, foi uma máxima histórica para qualquer mês.

O recente desejo mexicano pelo milho brasileiro foi amplamente guiado pelo menor custo de aquisição na comparação com a oferta dos EUA --assim, é inevitável que em algum momento o pêndulo volte a favorecer os EUA caso a produção do Brasil tropece, por exemplo.

O fato, porém, é que embarcar milho para o México está cada vez mais fácil para o Brasil, considerando os maiores volumes com fluxo a partir dos portos do Norte do país, substancialmente mais próximos ao destino final.

Além disso, recentes projetos para a expansão da capacidade portuária do México, especialmente no porto de Veracruz, devem facilitar ainda mais a relação comercial. Esses são fatores que devem representar um obstáculo mais permanente ao grão norte-americano.

Por exemplo, cerca de 1,97 milhão de toneladas de milho deixaram portos do Norte-Nordeste brasileiro no mês passado, algo em torno de 32% do total, de acordo com dados da agência marítima Williams. Em outubro de 2015, mês que mantinha o recorde anterior, cerca de 930 mil toneladas do grão foram processadas na região, ou 17% do total --e isso significava um grande número à época.

A marca do México nas exportações brasileiras ainda é relativamente pequena, representando apenas 4% dos embarques deste ano, mas ainda assim um recorde. Já a fatia do Japão é muito maior, com 14% do total, próxima à máxima anterior.

Os embarques de milho do Brasil para o Japão recentemente superaram os dos EUA, totalizando 4,3 milhões de toneladas nos últimos quatro meses. No mesmo período, os EUA enviaram 1,9 milhão de toneladas para o país asiático, volume mais fraco desde 1972.

Além disso, as vendas de milho dos EUA para o Japão na temporada 2019/20 figuravam em seus menores níveis em ao menos duas décadas até o final do mês passado. Já as vendas para o México foram as menores em quatro anos.

Por outro lado, o Brasil não corre o risco de ver os EUA roubando seu principal cliente, o Irã. Neste ano (até outubro), o Brasil exportou 4,8 milhões de toneladas de milho, ou 14% do total, para o país do Oriente Médio. O Irã já havia sido o mais importante destino do milho brasileiro nos três anos anteriores, embora o Vietnã tenha ocupado o espaço em 2015.

Os EUA exportaram pela última vez à República Islâmica em 2015, com uma quantidade de cerca de dois carregamentos. Com informações da Reuters.
 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[09/12/2019] - Arroba: as quedas também não são para sempre
[09/12/2019] - Tereza Cristina falou sobre o futuro da arroba
[09/12/2019] - Arroba: preço do boi tenta estabilidade
[09/12/2019] - Carne parou de subir no atacado
[09/12/2019] - JBS tirará maior parte dos negócios do Brasil
[09/12/2019] - Marfrig anuncia investimento e retomada de unidade
[09/12/2019] - Marfrig oficializa oferta para saída do BNDES
[09/12/2019] - Frigoríficos querem liberação de crédito em SP
[09/12/2019] - Raiva: Tocantins tira obrigação de vacinar
[09/12/2019] - Milho subiu 28% em um ano

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[06/12/2019] - Arroba: mercado busca nova referência
[06/12/2019] - China: quase metade das exportações brasileiras
[06/12/2019] - Alta das carnes puxou a alta da inflação no Brasil
[06/12/2019] - Preço da carne bovina subiu no mundo todo
[06/12/2019] - China tenta reativar mercado de suínos do país
[06/12/2019] - Marfrig: Molina não vai comprar parte do BNDES
[06/12/2019] - Banco prevê recuperação para o mercado do leite
[06/12/2019] - Leite: concorrência limita queda maior no preço
[06/12/2019] - Custos em alta pressionam produtor de leite
[06/12/2019] - Lácteos: demanda deve melhorar no fim de ano
[06/12/2019] - Rondônia anuncia fim da vacinação contra aftosa
[06/12/2019] - RS suspende multa para quem não vacinou
[06/12/2019] - O Brasil terá nova greve dos caminhoneiros?
[05/12/2019] - Até onde vai a queda do preço do boi?
[05/12/2019] - Arroba: vendas fracas de carne travam negócios
[05/12/2019] - Ministra prevê mais investimentos na pecuária
[05/12/2019] - CNA: pecuária deverá crescer 14% em 2020
[05/12/2019] - JBS: investimento maior em aves e suínos
[05/12/2019] - Custo de produção de leite volta a subir
[05/12/2019] - Exportações de milho em alta
[05/12/2019] - MP do Agro avança no Congresso
[04/12/2019] - Arroba: consumidor trava alta e mercado recua
[04/12/2019] - A disparada do boi em Mato Grosso
[04/12/2019] - Frigoríficos menores seguram compra de boi
[04/12/2019] - Frigorificos: exportações seguirão fortes em 2020
[04/12/2019] - Rússia barra compras de frigoríficos argentinos
[04/12/2019] - Tereza diz que mercado da carne voltará ao normal
[04/12/2019] - Júnior Friboi é alvo de operação da PF
[04/12/2019] - CVM rejeita acordo com irmãos Batista
[04/12/2019] - Cade aprova nova aquisição da JBS
[04/12/2019] - Leite: concorrência está maior em 2019
[04/12/2019] - Moro busca apoio de ruralistas para pacote
[04/12/2019] - Tereza: Agro é retratado de forma maldosa
[03/12/2019] - Arroba: frigoríficos pressionam por queda
[03/12/2019] - Qual a previsão da arroba para janeiro?
[03/12/2019] - Exportações de carne bovina: alta de 45%
[03/12/2019] - Por que as exportações caíram em relação a outubro
[03/12/2019] - Governo esclarece revisão das exportações
[03/12/2019] - Agro ganha força e ajuda na alta do PIB
[03/12/2019] - Economia saiu do fundo do poço, segundo ministério
[03/12/2019] - Confinamento: alta de 5% em 2019
[03/12/2019] - Leite: oferta curta segura preço
[02/12/2019] - Arroba cedeu. Os preços vão cair mais?
[02/12/2019] - Rússia libera unidades do JBS e do Minerva
[02/12/2019] - Erro nas exportações pode mudar mercado da carne
[02/12/2019] - Exportações à China devem continuar com força
[02/12/2019] - Alta da carne acelera fora de São Paulo
[02/12/2019] - Bolsonaro: governo não interfere no preço da carne
[29/11/2019] - É hora de ajuste no preço do boi?
[29/11/2019] - Tereza: arroba não vai voltar ao preço de antes

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br