Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
161,00 149,00 157,00
GO MT RJ
146,00 146,00 155,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1520,00
Garrote 18m 1840,00
Boi Magro 30m 2150,00
Bezerra 12m 1190,00
Novilha 18m 1400,00
Vaca Boiadeira 1530,00

Atualizado em: 11/10/2019 10:05

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Aftosa: fim da vacinação pode atrasar

 
 
 
Publicado em 19/09/2019

A retirada da vacinação contra a febre aftosa em todo o Brasil em 2021 deve ficar apenas no papel. O cronograma que prevê que todos os Estados deixem de imunizar o rebanho de bovinos e bubalinos contra a doença e que o país alcance o status sanitário de livre de aftosa sem vacinação em 2023 sofre com atrasos e não está descartada a possibilidade de que seja revisto totalmente.

“O que estava previsto para 2021 não vai ocorrer”, admitiu ontem o diretor do departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Geraldo de Moraes, após participar de evento promovido pelo Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), em São Paulo.

Embora não seja uma unanimidade, o fim da vacinação interessa aos pecuaristas, que reduziriam despesas. Do lado dos frigoríficos, a retirada da vacina era vista como uma forma de abrir mercados exigentes, como o Japão. No entanto, a decisão do país asiático de liberar a carne do Uruguai, que também imuniza o rebanho, mudou os planos e já há executivos da indústria frigorífica que defendem a manutenção da vacina.

Atualmente, apenas Santa Catarina tem o status de livre sem vacinação, o que viabilizou as exportações de carne suína catarinense para Japão e Coreia do Sul. Os demais Estados do país são reconhecidos como livres da doença com vacinação. “Pode existir a necessidade de revisão total do calendário. Isso não está excluído das possibilidades, embora não esteja na mesa neste momento”, disse Moraes, do Ministério da Agricultura.

Segundo ele, o ajustes se devem à dificuldades dos Estados cumprirem o cronograma. “Além disso, 2018 foi um ano que não existiu e em 2019 tivemos mudanças no governo e equipe. Estamos começando de novo e o calendário vai refletir o avanço de cada região”, afirmou.

O planejamento estratégico para o fim da imunização dividiu o país em cinco blocos. Composto atualmente por Acre, Rondônia, parte do Amazonas e parte do Mato Grosso, o primeiro bloco deveria retirar a vacinação em novembro deste ano. Mas a data foi adiada para maio de 2020 e poderá ter um novo atraso. “Vamos avaliar no final do ano quando ocorrerá”, afirmou Moraes.

Nos blocos que contemplam Estados do Norte e Nordeste, também houve atraso. A última etapa de vacinação nesses Estados estava prevista para maio de 2020. Agora, a situação será reavaliada.

Neste momento, o Paraná é o Estado mais próximo de deixar de imunizar o rebanho e alcançar o status de livre da doença sem vacinação. Os paranaenses retirariam a vacinação somente em 2021, mas o Estado se antecipou de olho nas oportunidades para a carne suína.

“O Paraná fez um trabalho muito bem feito e a situação deles está bem adiantada”, afirmou o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, José Guilherme Leal. A expectativa é que os paranaenses tenham vacinado o rebanho pela última vez em maio. A decisão final do ministério deve sair até o dia 30.

Para seguir o Paraná e não ficarem sozinhos no grupo do Sul, os gaúchos pediram antecipação da retirada da vacina e aguardam o resultado da avaliação do serviço sanitário do Estado, encerrada no último dia 6.

Por ora, apenas o bloco quatro, formado pelos demais estados, deve manter a programação original e deixar de vacinar os animais em maio do ano que vem.

Em novembro, terá início a segunda etapa de imunização contra a aftosa no país, na qual será utilizada novamente a vacina de 2 mililitros e sem a substância saponina – até o ano passado a vacina tinha 5 mililitros. As indústrias brasileiras de saúde animal investiram mais de US$ 16,5 milhões no desenvolvimento da nova versão. A mudança nas doses ocorreu após críticas relacionada a presença de abcessos (acúmulo de pus) em carne exportada aos EUA. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[11/10/2019] - Foco de peste suína é registrado em Alagoas
[11/10/2019] - Novos mercados se abrem para a carne do Brasil
[11/10/2019] - Carne bate recorde de preço e puxa a arroba
[11/10/2019] - Reposição ganha força e preços sobem
[11/10/2019] - Investigação derruba ações da JBS nos EUA
[11/10/2019] - Rússia habilita cooperativa frigorífica do TO
[11/10/2019] - TO: governo e frigoríficos tentam sair de impasse

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[11/10/2019] - Exportações de milho subiram 130%
[10/10/2019] - Exportações podem bater recorde em outubro
[10/10/2019] - Arroba do boi sobe em todo o Brasil
[10/10/2019] - Exportações puxam pra cima o preço do milho
[10/10/2019] - Congresso aprova fim do prazo para o CAR
[10/10/2019] - Suspeita de mormo é confirmada no MS
[09/10/2019] - Senadores dos EUA pedem que JBS seja investigada
[09/10/2019] - CPI do BNDES pede indiciamento de Lula e Dilma
[09/10/2019] - Frigoríficos já falam em superdemanda por carne
[09/10/2019] - Arroba segue subindo com procura maior que oferta
[09/10/2019] - Carne subiu no varejo
[09/10/2019] - Brasil teve deflação em setembro
[09/10/2019] - Liminar derruba alta do ICMS no Tocantins
[09/10/2019] - Começa a faltar carne no Tocantins
[09/10/2019] - Reposição tem preço firme em Rondônia
[09/10/2019] - Brasil deve ficar de fora da guerra EUA-China
[09/10/2019] - Chuvas podem reduzir preço pago pelo leite
[09/10/2019] - Não há motivo para oposição a acordo com a UE
[09/10/2019] - Sauditas reduzem compras de fábrica da BRF
[09/10/2019] - Agência investiga suspeita de mormo no MS
[08/10/2019] - Arroba do boi começou a semana em alta
[08/10/2019] - Chuvas começam a mexer com a reposição
[08/10/2019] - Exportações começaram outubro com força
[08/10/2019] - Preço da carne exportada bate recorde histórico
[08/10/2019] - Brasil tenta retirar barreiras à carne
[08/10/2019] - EUA liberam mais frigoríficos na Argentina
[08/10/2019] - Frigorífico sai da recuperação judicial
[08/10/2019] - Analistas acreditam em alta no lucro dos frigos
[08/10/2019] - Para onde vai o preço do milho?
[08/10/2019] - Pecuária puxa contratações no Mato Grosso
[08/10/2019] - Brasil lidera crescimento em produtividade no Agro
[07/10/2019] - Preço firme para a arroba do boi
[07/10/2019] - Frigoríficos seguem fechados no Tocantins
[07/10/2019] - JBS quita dívidas com bancos públicos
[07/10/2019] - CPI adia depoimento de Wesley Batista
[07/10/2019] - Pecuaristas investem para atender à China
[07/10/2019] - Milho: vendedores recuam e preços sobem
[07/10/2019] - CNA defende MP que muda regras para crédito
[07/10/2019] - SRB defende venda de terras a estrangeiros
[07/10/2019] - Venda de máquinas agrícolas seguem fracas
[07/10/2019] - Negociações EUA-China começam na quinta
[04/10/2019] - Vendas dos supermercados cresceram 7% em agosto
[04/10/2019] - Carne bate recorde histórico de preço
[04/10/2019] - Exportações registram marca inédita
[04/10/2019] - Arroba: mercado parado no Tocantins
[04/10/2019] - Já tem frigorífico pagando R$ 167 a arroba em SP
[04/10/2019] - Minerva adia oferta de ações no Chile
[04/10/2019] - Governo facilita inspeção sanitária nos municípios
[03/10/2019] - Frigoríficos já pagam acima da referência pelo boi
[03/10/2019] - Arroba do boi bate recorde histórico nominal

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br