Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
150,00 141,00 145,00
GO MT RJ
138,00 132,00 141,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1320,00
Garrote 18m 1570,00
Boi Magro 30m 1920,00
Bezerra 12m 990,00
Novilha 18m 1150,00
Vaca Boiadeira 1370,00

Atualizado em: 19/9/2018 12:25

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Brasil e Canadá negociarão acordo comercial

 
 
 
Publicado em 21/02/2018

Os sócios do Mercosul e o Canadá vão anunciar no dia 9 de março, em Assunção, a abertura de negociações para um acordo de livre comércio. E não querem perder tempo: menos de duas semanas depois, a partir do dia 19, autoridades dos dois lados já se reúnem em Ottawa para dar início às tratativas. A percepção é de que pode haver um entendimento amplo, rápido e equilibrado.

Há poucos dias, o governo canadense avisou aos sul-americanos que todas as instâncias para a obtenção de um mandato negociador haviam sido finalmente percorridas. Do lado de cá, não existem mais pendências a resolver. Com isso, os dois lados se disseram prontos para sentar-se à mesa e começar o processo de barganha típico das negociações.

O lançamento ocorrerá em Assunção não apenas devido ao exercício da presidência rotativa do Mercosul pelo Paraguai, mas porque o ministro canadense de Comércio, François Philippe Champagne, estará em Santiago na véspera para a assinatura do "TPP-11" - a nova versão da Parceria Transpacífica sem um dos 12 membros originais, os Estados Unidos, que abandonaram o tratado na primeira semana de Donald Trump na Casa Branca.

Os ministros Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e Marcos Jorge de Lima (Indústria, Comércio Exterior e Serviços), bem como seus colegas do Mercosul, devem ir também para o anúncio.

O governo brasileiro confia em uma evolução relativamente célere das negociações porque, ao contrário das tratativas com a União Europeia, não há grande incompatibilidade entre interesses "ofensivos" e "defensivos".

No jargão comercial, são chamados de interesses ofensivos aqueles produtos, ou setores, em que há pedidos de eliminação acelerada de tarifas para exportar mais. Interesses defensivos são o oposto: quando se luta para preservar alíquotas que protejam bens ou segmentos considerados sensíveis na concorrência com os importados.

Um dos grandes atrativos para o Mercosul, nas negociações com o Canadá, foi o aceno feito por Ottawa de que estaria disposto a liberalizar o mercado de compras públicas tanto em âmbito federal como nas províncias canadenses. Trata-se de um mercado de quase US$ 250 bilhões e no qual se aposta em possibilidade de maior participação das empresas brasileiras. Normalmente, os acordos internacionais só preveem abertura de licitações no nível federal. No caso canadense, 90% de todas as compras são de governos locais.

Em 2017, o comércio Brasil-Canadá atingiu US$ 4,48 bilhões, com crescimento de 6% sobre o ano anterior, mas ainda cerca de 50% abaixo do pico registrado em 2011. Os superávits têm se alternado bastante de lado a lado.

Em um extenso trabalho de pesquisa, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) mapeou oportunidades de avanço dos produtores brasileiros no mercado canadense. Há potencial de ganhos para bens manufaturados como máquinas, produtos químicos, alimentos, metalúrgicos, automóveis e pneus. Carnes, milho, café, melão e fumo são áreas agrícolas que oferecem chances de aumento das vendas.

Como tem uma ampla variedade de acordos de livre comércio, à qual se soma um tratado anunciado no ano passado com a UE, o Canadá importa mais de 90% de suas mercadorias com tarifa zero. Pagando alíquotas, os produtos brasileiros tornam-se menos competitivos na comparação com outros fornecedores.

A mídia canadense tem apontado automóveis, serviços financeiros, produtos minerais e da indústria florestal (papel e celulose) como pontos de forte interesse na negociação com o Mercosul. Mas lembra que o país vem enfatizando a necessidade de incluir regras trabalhistas e ambientais em seus acordos, o que pode provocar alguma dificuldade nas conversas.

Um trunfo político que pode ser usado na negociação é o bom entendimento entre o primeiro-ministro Justin Trudeau e o presidente argentino Mauricio Macri. Além de jovens lideranças globais, que têm se dado bem, ambos terão certo protagonismo em 2018 - o Canadá comanda o G-7 e a Argentina lidera o G-20. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[19/09/2018] - Alta da arroba não perde força
[19/09/2018] - Reposição sobe forte
[19/09/2018] - Tabela de frete não é sustentável, diz ministro
[19/09/2018] - Diesel pode faltar no final do ano
[19/09/2018] - Milho deve subir

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[18/09/2018] - Mercado do boi segue em alta
[18/09/2018] - Exportações de carne seguem firmes em setembro
[18/09/2018] - Atacado da carne continua em alta
[18/09/2018] - Leite cai no varejo
[18/09/2018] - Javalis causam grandes prejuízos a produtores
[18/09/2018] - Bolsonaro consegue apoio de indígenas
[17/09/2018] - JBS mais fraco aumenta concorrência pelo boi
[17/09/2018] - Arroba: alta segue firme
[17/09/2018] - Confinamento está menor em SP
[17/09/2018] - Fim de imposto pode aumentar exportação de couro
[17/09/2018] - Milho: negociações esfriam
[17/09/2018] - Incêndio devasta pastos em Rondônia
[17/09/2018] - JBS: Justiça libera presos em operação
[14/09/2018] - Frigorífico Minerva tenta acalmar o mercado
[14/09/2018] - Arroba continua subindo
[14/09/2018] - Preço da carne cai no varejo
[14/09/2018] - Alckmin tira porte de arma no campo de programa
[14/09/2018] - Receita está negativando CPF de produtores rurais
[13/09/2018] - Arroba: frigoríficos não acham boi para comprar
[13/09/2018] - Arroba já bate os R$ 150
[13/09/2018] - Exportações seguem com força em setembro
[13/09/2018] - Produção de leite caiu no trimestre
[13/09/2018] - BNDES perdeu mais de R$ 1 bi no Bertin
[13/09/2018] - JBS diz ter pago R$ 70 mi ao governador do MS
[13/09/2018] - JBS antecipa pagamento de R$ 2 bi
[13/09/2018] - Minerva: sauditas podem se tornar majoritários
[13/09/2018] - Governo vai liberar hora-extra a fiscais
[12/09/2018] - Frigoríficos confirmam recorde nas exportações
[12/09/2018] - Arroba do boi continua subindo
[12/09/2018] - Exportações de boi em pé subiram em agosto
[12/09/2018] - Abates subiram mesmo com greve dos caminhoneiros
[12/09/2018] - Custo em alta trava confinamento
[12/09/2018] - Insumos sobem com frete tabelado no MS
[12/09/2018] - Por dívidas, Minerva anuncia aumento de capital
[12/09/2018] - PF investiga escândalo que envolve frigoríficos
[11/09/2018] - Arroba do boi sobe em 17 praças
[11/09/2018] - Frigorífico exportador puxa preço do boi em SP
[11/09/2018] - Oportunidade no mercado de reposição
[11/09/2018] - Governo não libera dados das exportações
[11/09/2018] - Milho: confinamento puxa vendas no Mato Grosso
[11/09/2018] - Leite: consumo baixo pressiona os preços
[10/09/2018] - Arroba do boi deve seguir em alta
[10/09/2018] - Boi magro está em falta
[10/09/2018] - Carne continua em alta em SP
[10/09/2018] - Brasil enfrenta turbulências nas exportações
[10/09/2018] - Exportação argentina pode ser afetada pela crise
[10/09/2018] - Para onde vão os preços do milho?
[10/09/2018] - ANTT começa a fiscalizar cumprimento de tabela
[10/09/2018] - CNA pede, de novo, suspensão da tabela de frete
[10/09/2018] - Precisa de ajuda para preencher o ITR?

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br